Home Piaui
Categoria:

Piaui

País teve 10,2 mil mortes violentas no primeiro trimestre do ano, contra 10,8 mil no mesmo período do ano passado. Queda segue tendência de 2021, quando país registrou baixa de 7% no número de mortes violentas intencionais. Ferramenta criada pelo g1 acompanha os assassinatos mês a mês.

O número de assassinatos no país continua em queda em 2022, segundo o índice nacional de homicídios criado pelo g1, com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal.

Foram 10,2 mil assassinatos nos três primeiros meses deste ano, o que representa uma baixa de 6% em relação ao mesmo período do ano passado.

Estão contabilizadas no número as vítimas dos seguintes crimes:

  • homicídios dolosos (incluindo os feminicídios)
  • latrocínios (roubos seguidos de morte)
  • lesões corporais seguidas de morte

Em 2021, o Brasil teve uma queda de 7% no número de assassinatos, como apontou um levantamento exclusivo do Monitor da Violência. Foram 41,1 mil mortes violentas intencionais no país no ano passado, o menor número de toda a série histórica do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que coleta os dados desde 2007.

Segundo especialistas do FBSP e do NEV-USP, o menor número de mortes é motivado por um conjunto de fatores, incluindo: mudançs na dinâmica d mercado de drogas brasileiro; maior controle e influência dos governos sobre os criminosos; apaziguamento de conflitos entre facções; políticas públicas de segurança e sociais; e redução do número de jovens na população.

Os dados do primeiro trimestre de 2022 apontam que:

  • houve aproximadamente 10,2 mil assassinatos nos primeiros três meses deste ano, quase 700 mortes a menos que no mesmo período de 2021;
  • na contramão do país, cinco estados registraram alta nas mortes: Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pernambuco, Piauí e Rondônia;
  • Acre teve a maior queda: 30%
  • Rondônia teve o maior aumento nos crimes: 48%

O levantamento, que compila os dados mês a mês, faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do g1 com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Queda generalizada

Os dados apontam que todas as regiões do país tiverem queda nos indicadores de mortes violentas intencionais no início deste ano.

A queda mais expressiva foi a da região Sudeste, com uma diminuição de mais de 10%. Todos os estados tiveram diminuição, mas a queda foi puxada principalmente pelo Rio de Janeiro. O estado teve 193 mortes a menos no período, o que representa 20% de queda em relação ao ano passado.

Com essa baixa, o Rio de Janeiro deixou de ser o segundo estado com mais assassinatos do Brasil e passou a ocupar a quarta posição. O ranking continua sendo encabeçado pela Bahia, estado que teve queda de 8,5% na violência, mas que registrou impressionantes 1,3 mil assassinatos nos três primeiros meses deste ano.

Veja quais são os cinco estados mais mais mortes do país:

  1. Bahia: 1.326 mortes
  2. Pernambuco: 963 mortes
  3. São Paulo: 812 mortes
  4. Rio de Janeiro: 781 mortes
  5. Ceará: 755 mortes

Inclusive, em 2021, os homicídios dolosos atingiram uma baixa histórica no Rio, segundo o Instituto de Segurança Pública. É possível ver esta evolução no gráfico abaixo:

Série histórica de homicídios dolosos no RJ

2021 fechou com o menor número desde 1991

Segundo Paulo Storani, especialista em segurança pública, investimentos em policiamento ostensivo e em distribuição dos agentes pelo território urbano, além da realização de operações, podem ter contribuído para a queda.

Fora da curva: estados em alta

Mesmo que tenha apresentado uma diminuição no número de assassinatos no primeiro trimestre deste ano, os dados do Centro-Oeste chamam a atenção por não terem apresentado uma queda tão representativa como as de outras regiões do país. Foram 730 mortes registradas neste ano, contra 736 no ano passado.

Isso porque dois estados da região tiveram altas consideráveis: Mato Grosso do Sul (17%) e Mato Grosso (15%).

A fronteira entre o Brasil e o Paraguai é uma das que se destacam negativamente por causa das mortes. Em fevereiro, por exemplo, dois homens foram executados na cidade de Ponta Porã (MS) em menos de três horas.

O primeiro deles foi o empresário Joaquim Vinicius Miranda Borges, de 33 anos. Ele foi executado por pistoleiros em um bairro residencial. Os homens metralharam completamente o carro de luxo em que ele estava.

Após os tiros, Joaquim ainda saiu do carro e tentou correr, mas caiu e foi alcançado pelos pistoleiros. Ele foi atingido com vários tiros e morreu.

Após menos de três horas, Einer Miguel Pinazo, de 34 anos, também foi executado a tiros dentro de um carro. Miguel é suspeito de ter ligação com o tráfico de drogas e receptação de carretas roubadas.

O governo do Mato Grosso afirmou que “registra redução dos índices anuais de homicídios dolosos há 10 anos consecutivamente” e que “esse período [trimestre] é muito pequeno para se fazer análise”.

Informou ainda que fechou 2021 com percentual de 82% dos inquéritos de homicídios concluídos com autoria definida. E que, no último ano, as forças de segurança do MS apreenderam 31 toneladas de drogas e tiraram de circulação 720 armas de fogo ilegais.

Região Norte

Já na região Norte, Rondônia teve uma alta ainda mais elevada que Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Foram 85 casos no primeiro trimestre de 2021, contra 126 neste ano. Estes números representam um aumento de 48%.

Rondônia foi um dos seis estados que tiveram alta de assassinatos no balanço anual de 2021. Houve um aumento de 7% nos registros de violência do estado.

A Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec) afirmou que principalmente Porto Velho “tem sofrido com ações de organizações criminosas as quais, buscam domínio frente a outros grupos criminosos e essa disputa tem reflexos diretos no atual aumento dos números de homicídios”.

A pasta informou que “tem despendido esforços no intuito unir as Forças de Segurança Pública estaduais por intermédio de apoio logístico e de informação, para o enfrentamento desta questão”. Também disse que está sendo formada uma força-tarefa para combater o crime organizado.

Tendência de queda nacional

Mesmo com os aumentos pontuais de violência em alguns estados, a queda no primeiro trimestre de 2022 aponta que o país está seguindo a mesma tendência nacional de 2021, quando o Brasil registrou uma baixa de 7% nos assassinatos.

Os especialistas do Núcleo de Estudos da Violência da USP e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública elencam alguns pontos para explicar os números e a diminuição da violência:

  • Mudança na dinâmica do mercado de drogas brasileiro: “Mercados criminosos equilibrados, com competidores que aprenderam a conviver entre si ou que descobriram formas de regulamentar a relação entre eles, tendem a reduzir o total de conflitos fatais”, diz Bruno Paes Manso, do NEV-USP.
  • Maior controle e influência dos governos sobre os criminosos: “O próprio modelo de negócio criado por esses grupos tornou as lideranças das diversas gangues prisionais mais vulneráveis e sujeitas a pressões dos governos”, diz Bruno.
  • Apaziguamento de conflitos entre facções: “Entre 2016 e 2017 vivemos uma guerra entre dois grupos criminosos, o PCC e o Comando Vermelho, e essa guerra se alastrou por todo o país, especialmente em estados do Norte e Nordeste. A gente tem um apaziguamento desse conflito em alguns territórios e, em outro, tem um certo monopólio de algum grupo. Quando um grupo único vai se consolidando no território, tende a reduzir o conflito”, diz Samira Bueno, do FBSP.
  • Criação de programas de focalização e outras políticas públicas: “Várias unidades da federação adotaram, ao longo dos anos 2000 e 2010, programas de redução de homicídios pautados na focalização de ações nos territórios. O Pacto Pela Vida, em Pernambuco, o Estado Presente, no Espírito Santo, e o Ceará Pacífico, no Ceará, são exemplos de projetos que buscaram integrar ações policiais e medidas de caráter preventivo”, afirmam Samira Bueno e Renato Sérgio de Lima, do FBSP.
  • Redução do número de jovens na população: “Tem a ver com as mudanças demográficas, algo que a gente já vem apontando há alguns anos no Atlas da Violência, que é a reduçao do número de jovens na populacão. É sabido que a maior parte da violência letal atinge jovens do sexo masculino. E o Brasil esta diante de uma grande mudança demográfica”, afirma Samira.
  • Criação do SUSP e mudanças nas regras de repasses: “Em 2018, o governo federal conseguiu aprovar, depois de tramitar por 14 anos, a lei que criou o Sistema Único de Segurança Pública, responsável por regulamentar a Constituição de 1988 no que diz respeito à integração e eficiências das instituições de segurança pública. Ainda em 2018, (…) houve uma mudança nas regras de repasse de recursos arrecadados pelas Loterias da Caixa que, na prática, fez com que cerca de 80% de todo o dinheiro da segurança repassado para estados e Distrito Federal de 2019 a 2021 tenha as loterias como origem e, com isso, novos recursos puderam ser destinados à área”, dizem Samira e Renato.

Os pesquisadores destacam que a queda no índice de homicídios pode acontecer mesmo com a maior introdução de armas no país por conta dos decretos e mudanças na legislação promovidas pelo governo federal. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública publicado no ano passado, o Brasil dobrou o número de armas nas mãos de civis em apenas três anos.

“As armas e munições legais e ilegais – que são desviadas e ingressam no mercado do crime – não causam, isoladamente, variações nas taxas. Elas tendem a aumentar os homicídios circunstanciais, em bares, boates e no trânsito, por exemplo, e os femininídios. Mas não afetam necessariamente as dinâmicas criminais nos estados”, diz Bruno Paes Manso.

Taxa por 100 mil habitantes

Pernambuco é o estado com a maior taxa de crimes violentos do país. São 10 mortes por cada 100 mil habitantes, com aumento de 2,4 casos em relação ao primeiro trimestre de 2021.

No quadro do número absoluto de vítimas, aparece em 2º lugar, com 963 mortes, atrás da Bahia (1.326 mortes), que inverte a sua posição com o estado vizinho e tem a 2ª maior taxa de crimes violentos do país – são 8,8 mortes para cada 100 mil habitantes no primeiro trimestre de 2022, queda da taxa de 9,7 do mesmo período do ano anterior.

A maior redução na taxa de assassinatos foi em Roraima, com 2,4 casos a menos. A taxa nos primeiros três meses de 2021 foi de 6,3 casos para cada 100 mil habitantes, em comparação com 8,7 do período anterior.

São Paulo, o estado mais populoso do país, tem a menor taxa de crimes violentos para cada 100 mil habitantes, apesar de ser o 3º estado com mais mortes em termos absolutos. A taxa permaneceu praticamente a mesma no período de comparação (1,7 contra 1,8).

Índice nacional de homicídios

A ferramenta criada pelo g1 permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. Estão contabilizadas as vítimas de homicídios dolosos (incluindo os feminicídios), latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Juntos, estes casos compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

Jornalistas do g1 espalhados pelo país solicitam os dados, via assessoria de imprensa e via Lei de Acesso à Informação, seguindo o padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Os dados coletados mês a mês pelo g1 não incluem as mortes em decorrência de intervenção policial. Isso porque há uma dificuldade maior em obter esses dados em tempo real e de forma sistemática com os governos estaduais. O balanço fechado do ano de 2021 foi publicado em ma

Por: https://g1.globo.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

O local foi sinalizado com cones e o trânsito fluindo normalmente, apenas com necessidade de passar devagar, informou a Polícia Rodoviária Federal.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) emitiu uma alerta na tarde desta segunda-feira (9) para o risco de rompimento do trecho da BR-402, após a Lagoa do Portinho transbordar e água invadir a pista no Litoral do Piauí. A via não foi interdita, mas a polícia monitora o local.

O trecho comprometido fica no povoado Carpina e a cheia se deve, principalmente, devido às fortes chuvas que ocorreram na região de Parnaíba.

Os dois sentidos da via estão inundados em cerca de 30 cm, de acordo com a PRF. Embora haja o risco de rompimento, o órgão afirmou que o trânsito pode seguir normalmente, contudo em velocidade reduzida. A polícia também sinalizou o local com cones.

Complexo turístico inundado

A Lagoa do Portinho, um dos pontos turísticos mais conhecidos do litoral piauiense, localizado em Parnaíba, Litoral do Piauí, apresentou um intenso volume de água no domingo (8) após as fortes chuvas registradas ao longo da semana na região.

Em Parnaíba, foi registrado volume de 20 milímetros de chuva no domingo. A previsão do tempo ainda aponta um volume de chuva de até 40 mm para nesta segunda (9).

Apesar da cheia da Lagoa, o empresário Luís Aragão, dono de um restaurante que fica no local, contou ao g1 que não houve transtornos e prejuízos.

“Essa água é mais da chuva mesmo, e quando chove muito lá na pista que vai pro Ceará, no povoado Olho d’água, aquela água vem pra cá porque lota lá e transporta para cá, para nossa lagoa grandona. Mas está linda a lagoa. Está aparecendo até mais peixe”, declarou o empresário.

Por: https://g1.globo.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

O motorista do veículo sofreu algumas escoriações e foi encaminhado para a UBS do município. O acidente ocorreu na manhã desta segunda-feira (11).

Um acidente envolvendo um ônibus escolar deixou algumas crianças feridas na manhã desta segunda-feira (11) no Povoado Corredores, Zona Rural do município de Lagoa do Piauí, a 43 km ao Sul do Piauí.

Em nota, a Prefeitura de Lagoa do Piauí comunicou que o motorista do veículo colidiu contra uma árvore ao tentar desviar de animais que estavam na estrada. No ônibus estavam 10 crianças e uma monitorada, além do motorista.

A administração municipal não divulgou a quantidade de feridos, mas informou que ninguém apresentou ferimentos graves. O motorista do ônibus sofreu algumas escoriações e precisou ser encaminhado para a Unidade Básica de Saúde (UBS) do município. Já as crianças foram atendidas por uma equipe de saúde enviada ao local do acidente.

“Informamos ainda que, tão logo fomos notificados do ocorrido, destacamos uma equipe composta por profissionais da Saúde e da Educação para, além de dar a assistência imediata, verificar as necessidades de cada criança presente no veículo durante o acidente. Enquanto Gestão Municipal, nos solidarizamos com todos os que de alguma foram afetados pelo ocorrido, e nos colocamos a inteira disposição para dar total assistência diante de qualquer necessidade”, afirmou a administração municipal na nota.

Por: globo.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

Debate sobre importância do uso de cinto veio à tona após o acidente envolvendo o ex-BBB Rodrigo Mussi, que estava sem o item quando foi arremessado de carro em São Paulo.

Apenas 54,9% das pessoas com 18 anos ou mais que dirigem ou que andam no banco da frente usam sinto de segurança no Piauí. O uso do item de segurança no banco de trás é ainda menor: apenas 35,2%.

Os dados são de pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2019, mas o assunto veio à tona após o acidente envolvendo o ex-BBB Rodrigo Mussi, que está internado em estado grave desde o dia 31 de março, após ser arremessado de um carro em acidente.

Rodrigo Mussi estava em um carro de aplicativo quando o motorista bateu na traseira de um caminhão, na Marginal Pinheiros, em São Paulo (SP).

O condutor, que estava com o cinto de segurança, saiu ileso do acidente, já o ex-BBB, que estava no banco de trás, sem cinto, sofreu traumatismo craniano, teve uma fratura na perna direita e lesões na coluna.

Vítima de um acidente de carro em 2018, a advogada Samira Leite acredita que ela, o pai e três amigos só saíram com ferimentos leves da ocorrência devido ao uso do item de segurança.

“Estávamos indo para o Círio de Nazaré, em Belém do Pará. Dormimos em Santa Inês, no Maranhão, para prosseguir a viagem, mas não conhecíamos a estrada e fomos surpreendidos por vários buracos. Meu amigo que dirigia acabou perdendo o controle e o carro capotou, foi parar do outro lado da estrada e só parou porque tinha uma cerca”, contou.

Hoje, a advogada relata que o uso do cinto é fundamental para diminuir as consequências de acidentes de trânsito, podendo salvar vidas.

“Sempre que nos perguntam, nossa certeza é essa. Que realmente só saímos vivos daquele acidente devido ao cinto, que nos segurou e acabou nos protegendo de uma fatalidade. É um item muito simples, que infelizmente as pessoas não dão a devida importância e pode salvar vidas, como salvou a minha, do meu pai e dos meus amigos”, declarou Samira.

Infração de trânsito

O uso do cinto de segurança é obrigatório para todos os ocupantes de um carro, conforme o artigo 65 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). O descumprimento da regra é considerado uma infração grave ou gravíssima, e a multa é de R$ 195,23.

No Piauí, 2.540 pessoas foram flagradas sem cinto de segurança, pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), em 2021. Neste ano, o número chegou a 903 flagrantes.

“É uma conduta de segurança que ainda não é feita por muitos motoristas”, afirmou a inspetora De Menezes, relações-públicas da PRF no Piauí.

Por: globo.com/pi/

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

Durante a operação foram apreendidos também quase 3 kg de cocaína em uma residência na Zona Rural de São Raimundo Nonato.

A Polícia Civil do Piauí apreendeu mais de 500 maços de cigarros contrabandeados em uma distribuidora de bebidas no município de Dirceu Arcoverde, a 581 km ao Sul de Teresina, na manhã desta quinta-feira (31). O dono da distribuidora foi preso por contrabando.

A apreensão e a prisão ocorreram durante uma operação deflagrada no Sul do Piauí para combater o tráfico de drogas. Os policiais cumpriram mandados de busca e apreensão em sete endereços nas cidades de Dirceu Arcoverde e São Raimundo Nonato.

Conforme o delegado Felipe Bonavides, foram apreendidos também quase 3 kg de cocaína em uma residência na Zona Rural de São Raimundo Nonato. “Estamos em diligências para localizar o responsável pela droga e prendê-lo”, disse o delegado.

Por: g1.globo.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

Nas redes sociais, usuários compartilharam imagens de que não era seguro pagar taxas no site devido ao ataque hacker, mas segundo o Detran, não houve prejuízos.

O site do Departamento Estadual de Trânsito do Piauí (Detran-PI) voltou a funcionar normalmente, ainda na manhã desta segunda-feira (28), após sofrer um ataque cibernético. Os hackers modificaram as abas de acesso do site e colocaram palavras pejorativas.

Nas redes sociais, usuários compartilharam imagens de que não era seguro pagar taxas no site devido ao ataque hacker, mas segundo o Detran, não houve prejuízos.

Ao g1, a direção do Detran-PI informou que o site oficial do órgão sofreu ataque hacker na manhã desta segunda-feira (28), porém nenhum dado de usuários, veículos ou taxas foram afetados.

“O ataque somente ocorreu na página inicial de nosso site e que a equipe de Tecnologia de Informação desde o início do dia já resolveu a situação”, informou.

Por: globo.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

Grupos pedem, principalmente, reajuste salarial e garantia de direitos como plano de saúde.

Diversos grupos de trabalhadores do estado e da prefeitura de Teresina realizam um protesto unificado na manhã desta quarta-feira (23). O ato iniciou às 8h na praça do Fripisa, Centro da capital.

Estiveram presentes professores municipais em greve há mais de 30 dias, professores do estado, professores da Universidade Federal do Piauí, servidores municipais, usuários e trabalhadores do transporte em greve há três dias e integrantes do movimento popular por moradia.

As categorias pedem, principalmente, reajuste salarial e garantia de direitos perdidos, como plano de saúde.

Os manifestantes deixaram a praça do Fripisa por volta das 9h20 e seguiram por ruas do Centro da cidade, fechando completamente as vias por onde passavam.

Eles seguiram pela rua Arlindo Nogueira e depois Lizandro Nogueira, onde passaram pela lateral da Praça da Bandeira, para chegar à frente da Prefeitura às 10h.

O grupo derrubou cercas colocadas diante do Palácio da Cidade, que contornavam uma obra que acontece no local.

Com um megafone, as categorias fizeram falas acerca dos pedidos aos governos. Questionaram também a violência policial contra manifestantes.

No último ato de professores e do movimento de luta por moradia, no local, houve uso de gás de efeito moral e balas de borracha. Havia crianças acompanhando os pais no momento.

Depois, o grupo seguiu em direção à Avenida Maranhão, passando em frente ao Sindicato dos Transportes Urbanos de Teresina (Setut), que está em negociação com os trabalhadores do transporte.

Em seguida, os manifestantes seguiram pela rua Paissandu até o Palácio de Karnak, sede do governo estadual.

O ato foi encerrado por volta das 12h, na Praça da Liberdade, ao lado da Igreja São Benedito, no Centro de Teresina.

Reivindicações

Professores do estado:

  • Reajuste salarial; categoria diz estar há três anos sem reajuste
  • Melhoria na estrutura física das escolas
  • Criação de um plano de carreira dos professores

Professores da UFPI

  • Professores pedem reajuste 19,99%

Professores da prefeitura

  • Reivindicam que a lei federal do magistério 33,23% seja seguida pela prefeitura.

Movimento popular por moradia

  • Reivindicam a regularização de terras e reassentamento das famílias em terrenos da prefeitura;
  • Construção de casas populares;
  • Adiamento de despejos até o fim 31 de dezembro.

Por: /g1.globo.com/pi/

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

Além de divulgar as oportunidades, o quadro também falou sobre o novo ensino médio, que vai ofertar formação para que os alunos saiam da escola com preparo para entrar no mercado de trabalho.

O Balcão de Emprego desta terça-feira (15) abordou o novo ensino médio, que promoverá a formação técnica e profissional dos estudantes, para que eles saiam da escola com uma formação ou conhecimentos específicos que os ajudem a adentrar o mercado de trabalho sem precisar de um diploma de formação superior.

Além disso, o quadro divulgou 39 vagas de trabalho e estágio em Teresina. As oportunidades, ofertadas pelo Sistema Nacional de Emprego no Piauí (Sine-PI), são destinadas à ampla concorrência e pessoas com deficiência.

Vagas de emprego

Vagas para ampla concorrência em Teresina

CargoVagas
Analista de gestão de estoque1
Auxiliar de padeiro1
Eletrônico de manutenção2
Empregado doméstico nos serviços gerais1
Encarregado de manutenção1
Engenheiro elétrico1
Motorista de caminhão – guincho pesado com munk1
Padeiro1
Pizzaiolo1
Supervisor de logística1
Técnico de edificações1
Técnico de operação eletrotécnica1
Vendedor pracista4
Total17

Por: globo.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

O preço mais alto da gasolina comum encontrado no Piauí na manhã desta sexta-feira (11) acontece na cidade de Hugo Napoleão. Lá o combustível é vendido por R$ 8,60.

O preço da gasolina no estado do Piauí chegou a R$ 8,60. Os preços aumentaram ainda na quinta e chegaram a R$ 8,60 nesta sexta (11). Em Teresina, Canto do Buriti, Bom Jesus em Parnaíba, o preço superou os R$ 8. Em todos os postos observados, o preço do óleo diesel varia de R$ 7,27 a R$ 7,620.

O preço mais alto da gasolina comum encontrado no Piauí na manhã desta sexta-feira (11) foi registrado na cidade de Hugo Napoleão. Lá o combustível é vendido por R$ 8,60.

Em meio à disparada dos preços do petróleo, a Petrobras anunciou nesta quinta-feira (10) reajustes nos preços de gasolina e diesel após quase 2 meses de valores congelados nas refinarias.

A partir desta sexta-feira (11), o preço médio de venda da gasolina para as distribuidoras passará de R$ 3,25 para R$ 3,86 por litro, um aumento de 18,8%. Para o diesel, o preço médio passará de R$ 3,61 para R$ 4,51 por litro, uma alta de 24,9%.

Na manhã desta sexta-feira (11) o Procon realizou a fiscalização do preço da gasolina nos postos de combustíveis de Teresina. Três equipes realizaram a vistoria em diferentes postos da capital. Os preços chegam a R$ 8,19 nesta sexta. 17 postos foram autuados.

Na cidade de Bom Jesus, no Sul do Piauí, a gasolina comum está sendo vendida por R$ 8,540. Em Corrente, o litro do combustível custa R$ 8,34. Em Canto do Buriti, custa R$ 8,24.

Na capital, o preço da gasolina comum varia de R$ 7,399 até R$ 8,199. Em Alvorada do Gurgueia o preço chega a R$ 8,190.

Em Parnaíba, no litoral do estado, a gasolina comum chegou a R$ 8,070. Na noite de quinta-feira (10) o combustível era encontrado na cidade por R$ 7,290.

Em Floriano, na manhã desta sexta, a gasolina comum continuava com o preço de quinta-feira (10): R$ 7,28

Em Picos, um dos principais entroncamentos rodoviários do estado, a gasolina comum chegou a R$ 7,75. O aumento da procura pelo combustível desde o anúncio do aumento pela Petrobras fez os postos ficarem desabastecidos.

Por: globo.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

No ano passado o Estado não registrou nenhuma morte pela doença

O Piauí registrou o primeiro óbito pela dengue em 2022. A vítima é um homem e morreu em um hospital de Teresina. O 8° Boletim Epidemiológico aponta um aumento de 236,9% nos casos de dengue no Estado.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) informou que já está trabalhando ações para combater a proliferação do mosquito. O registro de morte pela doença acende um alerta ainda maior,  tanto para os gestores municipais como a população, sobre a necessidade de fortalecer as medidas de prevenção e enfretamento da doença.

“Ano passado nós não registramos nenhuma morte em decorrência da dengue  aqui no Piauí, com o registro do primeiro óbito neste ano de 2022, estamos voltando a reforçar os cuidados que as pessoas devem ter em casa, uma vez que nossas pesquisas apontam que a grande maioria dos criadouros de mosquito são encontrados em ambientes domiciliares”, ressalta o supervisor de  Entomologia da Sesapi, Ocimar Alencar.

As cinco cidades com o maior número de incidência  de casos dengue são: Curimatá, São Pedro do Piauí, Avelino Lopes, Agricolândia e Antônio Almeida. Em 2021 até a 8° semana epidemiológica 190 municípios piauienses não notificaram casos suspeitos de dengue, já em 2022 durante o mesmo período a quantidade de municípios que não notificaram casos suspeitos reduziu para 176.

O secretario de Estado da Saúde, Florentino Neto, destaca que as equipes da Sesapi estão vigilantes e mantendo contato com os municípios, para que juntos a Sesapi possa auxiliar o enfrentamento a dengue no estado.

“Nossas equipes seguem vigilantes e acompanhando a situação de todo o estado, mantemos contato diretamente com os municípios que identificamos ter uma  necessidade maior de atenção e traçamos estratégias de prevenção e enfrentamento a dengue”, lembra o gestor.

O Boletim ainda apresenta os números referentes a Febre Chikungunya o estado apresentou um aumento de 86,7% em relação ao mesmo período do ano passado. O estado não apresenta óbitos pela doença desde 2018.

Por: piauihoje.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail
Novos Posts