Home Autor
Autor

Correio do Maranhão

Para professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e membro da Comissão da CNA que discute o tema, oleaginosa brasileira já é superior à norte-americana e China

A Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) vem discutindo a revisão do padrão oficial de classificação da soja e de seus subprodutos, conforme estipulado pela Consulta Pública aberta na Portaria nº 532/2022, da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Ao mesmo tempo, a China, principal compradora da oleaginosa brasileira, também está revisando os requisitos dos grãos que ela adquire. Entre as demandas do país asiático estão a redução da umidade de 14% para 13% e maiores índices de óleo e proteína. De acordo com o professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e membro da Comissão da CNA, Paulo César Correa, o conceito de “grãos perfeitos” requerido pelos chineses impactará substancialmente no que o Brasil trabalha internamente em termos de classificação.

“Em relação à soja e agricultura tropical, o Brasil já é imbatível em conhecimentos. Claro que a divulgação e uso deste conhecimento têm de ser mais difundidos, mas somos detentores do conhecimento de agricultura tropical como ninguém no mundo. A nossa soja, por exemplo, é melhor do que a norte-americana, assim como a produtividade”, declara o professor. “Os chineses estão em busca de aumento de proteína e óleo e a nossa soja já é melhor do que a norte-americana nesses termos”, lembra.

De qualquer maneira, conforme Correa, como a China é o país que mais compra a soja nacional, cabe ao Brasil estipular um período de discussões e adaptações. Assim como o padrão que o país asiático estabelece para o gado, o professor da UFV não descarta que os requisitos para a soja sejam meramente mercadológicos. “De qualquer forma, temos de deixar muito claro que existe a oferta e a demanda. Então teremos de entrar em acordo porque, do contrário, eles não terão a oferta e isso pode complicar mais para eles do que para nós”, considera.

Por: https://www.canalrural.com.br

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

TRANSFERÊNCIA DE TECNLOGIAS E INFORMAÇÕES INOVADORAS”

O Brasil hoje, sendo considerado como o maior produtor mundial de alimentos e grande exportador das principais commodities para diversos países se torna cada vez mais responsável pelo abastecimento e com isso, nos que produzimos alimentos no Estado do Maranhão, inovando tecnologicamente e sendo pioneiro em práticas sustentáveis, nos consideramos também como um celeiro abastecedor para o mundo.

Dentro desta premissa direcionaremos o tema da 18ª edição AGROBALSAS, como sendo :CONECTIVIDADE CERRADO, O GRANDE CELEIRO”, e dentro deste tema, a proposta está lançada  9 MESAS DE DEBATES, que, juntamente com Autoridades, Produtores Rurais, Representantes de Instituições, Pesquisadores, irão interagir com a Imprensa, Escrita, Falada, Televisionada e convidados especiais através do público que se fazem presente aos debates. O que certamente trará uma diferença significativa para consolidação deste grande celeiro, será a presença do Governo Itinerante liderado pelo Governador do Estado, Dr. Carlos Brandão. Um novo desafio, novas oportunidades de convergir a um objetivo único proposto pela pauta deste evento – AGROBALSAS.

Para dos principais debates propomos as seguintes Mesas e discussões:

DIA 17 DE MAIO 2022 (MANHÃ): 1ª MESA -“ CONECTIVIDADE CERRADO, O GRANDE CELEIRO”.

  • SR. JOSÉ REINALDO TAVARES – SECRETÁRIO DE ESTADO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS;
  • DR. RONALDO CARMONA – DEMANDA DOS MERCADOS FRENTE A GLOBALIZAÇÃO ACELERADA;
  • PAULO KRELING – PROFISSIONALISMO DO HOMEM NO CAMPO.
  • YARA DE GEUS – PRODUTORA RURAL NO MARANHÃO;
  • DANIEL LECH – NOVOS DESAFIOS DA CLASSE PRODUTORA;
  • ALZIR AGUIAR NETO – PRODUÇÃO DE COMMODITIES NO PIAUÍ;
  • VILSON AMBROZI – PRODUÇÃO DE COMMODITIES NO MARANHÃO.

MEDIADOS PELOS REPORTERES:

  • MATIAS ALMEIDA – DIRETOR EXECUTIVO NATCAP
  • ANTÔNIO OLIVEIRA – JORNALISTA CERRADO RURAL

DIA 17 DE MAIO 2022 (TARDE): 2ª MESA -“ CONECTIVIDADE CERRADO, RUMO A CONSOLIDAÇÃO DA PECUÁRIA”.

  • PEDRO CERVI – INTENSIFICAÇÃO DA PECUÁRIA NO MATOPI;
  • LUIZ ANTÔNIO BATO – CONFINAMENTO;
  • FERNANDO CARVALHO – NUTRIÇÃO PARA RESULTADOS DE RECRIA;
  • RAFAEL BOUWMAN – TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO E APLICAÇÃO VOLUMOSOS EM CONFINAMENTO;
  • CLEBER ANDRADE – INTENSIFICAÇÃO DA CRIA POR NUTRIÇÃO E MELHORAMENTO GENÉTICO;
  • ANA CLAUDIA MACEDO- FORMALIZAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL;

MEDIADOS POR:

  • GIOVANA BAGGIO – PESQUISADORA COMUNITÀ ADVISORS
  • LISIANE HONAISER – DIRETORA PLATAFORMA AMAO

DIA 18 DE MAIO 2022 (MANHÃ): 3ª MESA -“ CONECTIVIDADE CERRADO, CREDITO RURAL E A REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA”.

  • RICARDO RUH – CRÉDITO RURAL;
  • DIOVANI ALENCAR SANTA BARBARA – REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA;

COORDENAÇÃO: DRAª. ANA CECILIA DELAVY;

MEDIADORES: DRAª. HELCRISIA ALVES E DR. DOUGLAS LIMA DA GUIA.

DIA 18 DE MAIO 2022 – (11 AS 12 HORAS):

LANÇAMENTO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL BANCO DO NORDESTE.

DIA 18 DE MAIO 2022 – (A TARDE): 4ª MESA -“ CONECTIVIDADE CERRADO E O PAPEL DA MULHER NESTE GRANDE CELEIRO”.

HOMENAGEADAS AGRO OURO AGROBALSAS 2022 E CONVERSA DE MULHER PARA MULHER:

  • CINTIA CRISTINA TICIANELLI – A VIDA DE UMA MULHER, MÃE, ESPOSA E EMPRESÁRIA;
  • ALICE REGINA TORQUETI – CUIDANDO DA ALMA.

DIA 18 DE MAIO 2022 – (18 HORAS):

CASAMENTO COMUNITARIO.

DIA 19 DE MAIO 2022 – (MANHÃ): 5ª MESA -“ CONECTIVIDADE CERRADO E A CONSOLIDAÇÃO NA DIVERSIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS”.

  • DIEGO ROLIM – PLANO DE GOVERNO PARA O AGRONEGÓCIO FAMILIAR;
  • DIRK BRUNKHORST – FOSFATO NATURAL RESTIVO BAYOVAR;
  • ARTUR SOARES JR – PROGRAMA ASSISTEC MANDIOCA PARCERIA ABEV;
  • KAESEL DAMASCENO – PULSES E O MERCADO INTERNACIONAL;
  • RAIMUNDO ARAUJO NETO – PASTAGENS E FORRAGEIRAS PARA OS CERRADOS;
  • GERALDO MAGELA – PROCESSO CRUZAMENTO RAÇAS TROPICALMENTE ADAPTADAS.
  • DR. BENEDITO DUTRA – AGROPECUARIA MILENIUM

MEDIADORAS:

  • MANOEL CARVALHO E ALINE SILVA

DIA 19 DE MAIO 2022 – (TARDE): 6ª MESA -“ CONECTIVIDADE CERRADO, UMA NOVA VISÃO AMBIENTAL”.

  • RAYSA QUEIROZ – SECRETÁRIA DE MEIO AMBIENTE;
  • DR. SÁLVIO DINO DE CASTRO E COSTA JÚNIOR – COMPLIANCE AMBIENTAL;
  • DR. FÁBIO HENRIQUE SOUSA – LICENCIAMENTO AMBIENTAL;
  • DRª. ANA CRISTINA FONTOURA – ESTRUTURAÇÃO DE CONSELHOS AMBIENTAIS;
  • ALINE LEÃO – O VALOR DA FLORESTA EM PÉ;
  • SAMAYCON GONÇALVES – ESTRATÉGIA DA FAPCEN PARA A VISÃO AMBIENTAL;

MEDIADORAS:

  • SABRINA CAMPOS E GIOVANA BAGGIO

DIA 19 DE MAIO 2022 – (NOITE): 7ª MESA -“ CONECTIVIDADE CERRADO, INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NOS RECURSOS HUMANOS”.

  • DRª MÁRCIA DE NARDIM – MEDIAÇÃO E CONCILIAÇÃO TRABALHISTA;
  • MARIA DE JESUS SILVA – INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PARA RH’s;

MEDIADORES:

  • WELLIGTON NACIMENTO E SAMAYCON GONÇALVES

DIA 20 DE MAIO 2022 – (MANHÃ): 8ª MESA -“ CONECTIVIDADE CERRADO, PARA O SEQUESTRO DE CARBONO”.

  • DR. JOÃO CARLOS DE MORAES SÁ – SISTEMA SUSTENTÁVEIS/PLANTIO DIRETO, SEQUESTRO DE CARBONO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS;
  • DR. FABRICIO BRITO – MAPEAMENTO E MERCADO DE CARBONO NO CERRADO MARANHENSE;
  • OCTÁVIO QUEIROZ – MANEJO DE CULTURAS DE COBERTURA PARA ALTAS PRODUTIVIDADES;
  • DR. MARCOS TEIXEIRA – RESULTADOS E IMPACTOS PARA O MATOPIBA DO SISTEMA ILPF;
  • GISELA INTROVINI – PRODUTOS DIFERENCIADOS PARA MERCADOS DIFERENCIADOS;

MEDIADORES:

  • PAULO KRELING E GIOVANA BAGGIO

DIA 20 DE MAIO 2022 – (TARDE): 9ª MESA -“ CONECTIVIDADE CERRADO, A SEGURANÇA E A MINIMIZAÇÃO DE RISCOS AGROPECUÁRIOS”.

  • DR. FERNANDO HENRIQUE MARINI – DEFENSIVOS AGRÍCOLAS ILEGAIS “O BARATO QUE SAI CARO”;
  • DRAª. FILOMENA CARVALHO MATOS – PANORAMA DOS AGROTÓXICOS NO MARANHÃO;
  • JOSÉ ANTÔNIO HELUY – SECRETÁRIO DE AGRICULTURA PESCA E ABASTECIMENTO DO MARANHÃO;
  • CAUÊ ARAGÃO – DIRETOR GERAL AGED/MA;
  • TENENTE CORONEL WILLYS PABLO – 4° BATALHÃO DE BOMBEIROS MILITARES;
  • MARCELO JOSÉ DA SILVA – CHEFE DELAGACIA DA POLICIA RODOVIARIA FEDERAL DE BALSAS/MA;
  • ROOSEVELT KENEDY – DELEGADO DO 1° DISTRITO DA POLICIA CIVIL DE BALSAS/MA;
  • NILDSON LENINE – COMANDATE DA 4° BATALHÃO DE POLICIA MILITAR;
  • PAULO ROBERTO KRELING – PRESIDENTE FAPCEN;
  • DANIEL LECH – PRESIDENTE SINDIBALSAS;
  • VILSON AMBROZI – PRESIDENTE APROSOJA MA;

MEDIADORES:

  • ENGº. AGRº DIEGO AMARAL E ENGº.AGRº. FRANCISCO SARAIVA DA SILVA JÚNIOR

DIA 20 DE MAIO 2022 – (18 AS 19 HORAS):

PALESTRA SENAR

  • EGON BASTOS – ASSISTÊNCIA TÊCNICA E GERENCIAL NO SUL DO MARANHÃO.

DIARIAMENTE (DAS 8 AS 18 HORAS) – VITRINES DE CULTIVOS E PEQUENOS ANIMAIS:

1° ESTAÇÃO: DR. JOÃO DE SÁ/FEDERAÇÃO PLANTIO DIRETO NA PALHA -SEQUESTRO DE CARBONO NA TRINCHEIRA/SOLO;

2° ESTAÇÃO: WELLINGTON NASCIMENTO/ AMAPA- CULTIVARES DE ALGODÃO / SAFRINHA DE ALGODÃO;

3° ESTAÇÃO: NILDO TAVARES/ FORSEEDS E ANTÔNIO CAMPLI / MORGA-ALTA TECNOLOGIA DE MILHO HÍBRIDOS;

4° ESTAÇÃO: DR. ADÃO CABRAL/ EMBRAPA CPAMN E FREDDY TOLEDO/MAXIMA- PULSES E MERCADO INTERNACIONAL;

5° ESTAÇÃO: DR. VALDEMICIO FERREIRA/EMBRAPA CPANM -DIVERSIFICAÇÃO DE FRUTIFERAS;

6° ESTAÇÃO: BENEDITO DUTRA/AGROPECUÁRIA MILENIUM-VARIEDADES DE MANDIOCA PARA ALTOS TETOS PRODUTIVOS ;

7° ESTAÇÃO: DEMONSTRAÇÕES DE ANIMAIS DE PEQUENOS PORTE (OVINOS, PEIXES E AVES);

8° ESTAÇÃO: ENG. AGRª. JOANA ALVES, ENG° AGR° JUACY PINHEIR0, RESIDENTES MAIARA MENESES E LOURILENE CARRIA

(KNAF-CHIA / AMARANTHUS / GERGELIN / MUCUNA / GRÃO DE BICO / CROTALARIA).

POR: GISELA INTROVINI – SUPERINTENDENTE FAPCEN

Por: https://fapcen.org.br/agrobalsas-

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

Vídeo divulgado nas redes sociais mostra torcedor da equipe argentina imitando um macaco em direção à área reservada aos brasileiros no estádio La Bombonera

Mais um caso de racismo foi registrado, nesta terça-feira, na Copa Libertadores. Antes de a bola rolar para o jogo entre Boca Juniors e Corinthians, um vídeo registrou um torcedor da equipe argentina imitando um macaco em direção ao local destinado para os brasileiros no estádio La Bombonera.

No primeiro duelo entre os dois times na fase de grupos do torneio sul-americano, um torcedor do Boca foi detido após cometer injúria racial contra corintianos na Neo Química Arena. Em outras rodadas, foram identificados outros casos de racismo em jogos envolvendo Palmeiras (diante do Emelec), Fortaleza (River Plate), Red Bull Bragantino (Estudiantes), Flamengo (Universidad Católica) e Fluminense (Olimpia e Millonarios).

Os torcedores racistas das equipes de Buenos Aires foram suspensos de ingressar em qualquer estádio da capital argentina. Leandro Ponzo, do Boca Juniors, não poderá assistir aos jogos presencialmente por quatro anos, enquanto Gustavo Sebastián Gómez, do River Plate, por dois.

Diante do aumento expressivo de casos de racismo identificados nas competições sul-americanas, a Conmebol anunciou na última semana uma série de mudanças em seu Código Disciplinas para aumentar as punições a clubes, jogadores e torcedores que cometam atos discriminatórios.

Clubes podem ser punidos com jogos com portões fechados e sancionados com pena pecuniária de até US$ 100 mil (cerca de R$ 500 mil). Atletas estão sujeitos a ficarem fora de até cinco partidas, caso cometam qualquer tipo de injúria racial.

“Qualquer jogador ou oficial que insulte ou atente contra a dignidade humana de outra pessoa ou grupo de pessoas, por qualquer meio, por motivos de cor de pele, raça, sexo ou orientação sexual, etnia, idioma, credo ou origem, será suspenso por um mínimo de cinco jogos ou por um período de tempo mínimo de dois meses”, identifica o primeiro parágrafo do artigo 17 do Código Disciplinar da entidade sul-americana.

Por: https://www.terra.com.br

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

Craque do PSG e da seleção brasileira embolsou incríveis R$ 488 milhões em um ano, segundo levantamento da revista Forbes

A revista americana Forbes divulgou nesta quarta-feira (11), a lista com os dez atletas mais bem pagos do mundo no último ano. Com craques da NBA, NFL e até do tênis, o levantamento aponta as estrelas do futebol como as que mais faturam. Confira as posições e quanto cada um deles ganha:

10º – Giannis Antetokounmpo (Basquete/Milwaukee Bucks) – R$ 415 milhões

9º – Tom Brady (Futebol americano/Tampa Bay Buccaneers) – R$ 431 milhões

8º – Canelo Alvarez (Boxe) – R$ 462 milhões

7º – Roger Federer (Tênis) – R$ 465 milhões

6º – Kevin Durant (Basquete/Brooklyn Nets) – R$ 473 milhões

5º – Stephen Curry (Basquete/Golden State Warriors) – R$ 476 milhões

4º – Neymar (Futebol/Paris Saint-Germain) – R$ 488 milhões

3º – Cristiano Ronaldo (Futebol/Manchester United) – R$ 590 milhões

2º – LeBron James (Basquete/Los Angeles Lakers) – R$ 622 milhões

1º – Lionel Messi (Futebol/Paris Saint-Germain) – R$ 668 milhões

Por: https://esportes.r7.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

WhatsApp é a segunda maior plataforma do Facebook.

O indiano Neeraj Arora ajudou a intermediar a venda do WhatsApp para o Facebook por cerca de US$ 22 bilhões em 2014. Oito anos depois, no entanto, o ex-diretor comercial do WhatsApp diz que se arrepende de ter contribuído para o negócio.

“Ninguém sabia, a princípio, que o Facebook se transformaria em um monstro de Frankenstein devorando dados de usuários”, escreveu Arora em uma série de postagens em sua conta no Twitter em 4 de maio.

“Hoje, o WhatsApp é a segunda maior plataforma do Facebook (ainda maior que o Instagram ou o FB Messenger). Mas é uma sombra do produto em que colocamos nossos corações e queríamos construir para o mundo”, disse Arora.

O WhatsApp foi fundado pelo ucraniano-americano Jan Koum e pelo americano Brian Acton em 2009, como um aplicativo que permitia a comunicação internacional entre usuários, com o pagamento de um dólar para baixá-lo, lembrou Arora.

“Para pessoas (como eu) com parentes em vários países, o WhatsApp foi uma forma de se manter conectado, sem pagar SMS de longa distância ou taxas de ligações”, disse ele.

Quando a negociação começou, o Facebook concordou com certas condições inabaláveis para os fundadores do WhatsApp: não usar informações do usuário para mineração de dados (explorar dados à procura de padrões consistentes), não publicar anúncios ou implementar rastreamento entre plataformas, explicou Arora.

Na época do negócio, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, descreveu os serviços do WhatsApp como “incrivelmente valiosos”, em um comunicado anunciando o acordo.

Ele lembrou que o Facebook abordou o WhatsApp com “uma oferta que parecia uma parceria”, baseada em “suporte completo de criptografia de ponta a ponta, sem anúncios, total independência nas decisões de produtos e uma vaga no conselho para Jan Koum”.

No entanto, “em 2017 e 2018, as coisas começaram a parecer muito diferentes”, disse.

O ex-diretor comercial lembrou que em 2018 “os detalhes do escândalo Facebook/Cambridge Analytica vieram à tona”, e o cofundador do WhatsApp, Brian Acton, “enviou um tuíte que chocou o estrato ou esfera das redes sociais”.

“Chegou a hora. #deletefacebook”, publicou Acton em sua conta pessoal em março de 2018 para apoiar a condenação contra o Facebook por ter permitido que a consultoria britânica Cambridge Analytica coletasse dados de milhões de usuários da rede social sem seu consentimento e uso para projetar propaganda política.

Na época, o Facebook sofreu um forte abalo com a revelação de que as informações de mais de 50 milhões de pessoas foram utilizadas sem o consentimento delas pela empresa americana Cambridge Analytica para fazer propaganda política.

A empresa teria tido acesso ao volume de dados ao lançar um aplicativo de teste psicológico na rede social. Aqueles usuários do Facebook que participaram do teste acabaram por entregar à Cambridge Analytica não apenas suas informações, mas os dados referentes aos amigos do perfil.

Já em 2022, Neeraj Arora escreveu: “As empresas de tecnologia precisam admitir quando fizeram algo errado”. E concluiu o fio no Twitter dizendo que não é o único que lamenta que o WhatsApp tenha se tornado parte do Facebook.

Por: https://www.bbc.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

Cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, usaram algas para manter um computador ligado continuamente por um ano.

Segundo a instituição, o sistema tinha um tamanho semelhante a uma bateria AA e continha uma espécie não tóxica de alga azul-esverdeada chamada synechocystis.

A alga “colhe naturalmente a energia do sol através da fotossíntese”, disse a universidade.

Os pesquisadores acreditam que o sistema “tem potencial como uma maneira confiável e renovável de alimentar pequenos dispositivos”.

Eles disseram que o sistema foi feito de “materiais comuns, baratos e amplamente recicláveis”.

“Isso significa que pode ser facilmente replicado centenas de milhares de vezes para alimentar um grande número de pequenos dispositivos como parte da Internet das Coisas”, afirmaram.

A Internet das Coisas é uma vasta e crescente rede de dispositivos eletrônicos que usam uma pequena quantidade de energia que coleta e compartilha dados em tempo real via internet, como smartwatches.

A corrente elétrica gerada pela fotossíntese interage com um eletrodo de alumínio que é usado para alimentar o microprocessador.

O professor Christopher Howe, do departamento de Bioquímica da Universidade de Cambridge, disse: “Nosso dispositivo fotossintético não funciona como uma bateria porque está continuamente usando luz como fonte de energia”.

No experimento, o dispositivo foi usado para alimentar um Arm Cortex M0+, que é um microprocessador amplamente utilizado em dispositivos de Internet das Coisas.

A Arm, empresa de design de microprocessadores com sede em Cambridge, colaborou com os pesquisadores de Cambridge no projeto.

Paolo Bombelli, também do departamento de Bioquímica da Universidade de Cambridge, afirmou: “Ficamos impressionados com a consistência com que o sistema funcionou por um longo período de tempo — pensamos que poderia parar depois de algumas semanas, mas continuou”.

Por: https://www.bbc.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

O idealizador de “O Primo Rico” compartilha suas experiências espirituais e esclarece que “ganhar dinheiro não é pecado”.

O rumo de uma vida pode mudar a partir da leitura do livro de Provérbios? De acordo com a trajetória do empresário Thiago Nigro, “sim”. O idealizador do projeto “O Primo Rico” disse que, mesmo sem uma motivação espiritual, teve um encontro com Deus.

Em entrevista ao JesusCopy Podcast, apresentado por Douglas Gonçalves, na última terça-feira (16), Nigro comentou que o conteúdo de Provérbios é tão profundo que ele não conseguia sair do primeiro capítulo. 

“Tudo o que eu já tinha lido na minha vida estava ali”, disse ao compartilhar que mesmo sob a ótica dos negócios, descobriu na Bíblia um “manual sobre como se deve viver”. 

Mudança de mentalidade

Vindo de uma família de origem espírita, Nigro confessa que não tinha muita espiritualidade: “Só pensava em trabalho e dinheiro”. Mas, a partir do contato com o pastor e treinador de líderes, Tiago Brunet, seus pensamentos mudaram. 

Nigro revela que não tinha nenhuma afinidade com as Escrituras: “Para mim, a Bíblia era muito difícil de digerir”. Porém, quando Brunet apontou muitos textos bíblicos falando sobre dinheiro, Nigro ficou curioso. 

“A gente não entende como Deus trabalha”, disse ao destacar que foi a partir de uma mentoria de negócios que passou a ver Deus se revelar. “Eu fiz desafios e pedi sinais e Deus respondia”, continuou. 

“Não posso confundir a vontade de Deus com a minha”

Nigro escolheu ter um relacionamento com Deus e fez esse anúncio aos seus seguidores, em novembro de 2021. Em março de 2022, foi batizado nas águas do rio Jordão, em Israel. 

“Comigo aconteceu um milagre e então se tornou indiscutível a existência de Deus”, declarou na ocasião. 

Hoje, Thiago Nigro disse que tem aprendido a lidar com a nova pessoa que se transformou. “Depois de abandonar o velho eu, preciso saber como lido com esse novo Thiago, pois agora eu tenho um Conselheiro, e não posso confundir a vontade de Deus com a minha”, explicou.

Conforme o empresário, essa fase passa por chegadas e partidas de pessoas. “Algumas pessoas são praticamente arrancadas de nossas vidas, mas para nós elas eram importantes”, mencionou. 

Compartilhando a transformação

Nigro conta que decidiu falar publicamente sobre sua fé durante um evento de finanças e que não imaginava a reação das pessoas. “Nunca havia sentido tanta energia, as pessoas começaram a chorar enquanto eu contava a minha experiência. Foi bizarro”, interpretou. 

“Eu comecei dizendo que aquele dia seria diferente pois eu não falaria às mentes, mas aos corações das pessoas”, disse ao revelar que ao final do evento, porém, sentia um peso estranho dentro dele. 

“Quando já estava no camarim, o Tiago Brunet, sem saber de nada, enviou uma mensagem alertando sobre a guerra espiritual que eu viveria após revelar sobre a minha fé às pessoas e realmente isso aconteceu”, citou.

“Sua missão é falar de Deus”

“Tem muitas coisas acontecendo na minha vida”, disse ao compartilhar sobre os sinais e recados que recebe de Deus através de pessoas que ele nem mesmo conhece.

“Já me disseram: ‘sua missão é falar de Deus para quem só está disposto a ouvir você’. Eu ouvi isso de duas pessoas diferentes e depois ouvi coisas semelhantes”, contou. 

Isso tudo mudou a mentalidade de Nigro que mergulhou no mundo das finanças para ser rico. “E eu queria ser rico no aspecto material mesmo. Já fui garçom, barman e depois fui trabalhar no mercado financeiro”, especificou. 

Aos 27 anos, já vivendo sua liberdade financeira, passou a ensinar sobre o que aprendeu. Porém, agora ele tem recebido novas lições que ultrapassam seu entendimento

“As metáforas, parábolas e histórias bíblicas se aplicam até no mercado financeiro. Está tudo lá, escrito de forma lúdica. A Bíblia fala de liderança e de tantas coisas boas. É um manual”, reconheceu. 

“Eu não escolhi o dinheiro”

Ao falar sobre dinheiro e citar a parábola do camelo e a entrada do rico no Reino de Deus, Nigro disse que compreendeu que a sua relação com o dinheiro não entrava em conflito com seu relacionamento com o Criador. 

“Ganhar dinheiro não é errado e não é pecado. Mas, eu entendi que o dinheiro não é meu, e sim uma ferramenta. O dinheiro não pode estar acima de Deus. O problema é amar o dinheiro, pois ele nunca será suficiente”, concluiu. 

Por: https://www.guiame.com.br

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

Milhares de jovens se comprometeram com o “ide” no The Send em Kansas City.

Com os sapatos levantados, dezenas de milhares de jovens se comprometeram com o “ide” no The Send em Kansas City, no fim de semana. Foram cerca de 12 horas de adoração, oração e ministrações no Estádio Arrowhead, nos Estados Unidos.

O site Charisma News relata que, na semana que antecedeu o evento, os jovens compartilharam o Evangelho com quase 5 mil casas e doaram alimentos e bens a mais de 6 mil famílias.

Além disso, pelo menos 800 igrejas em Kansas City colaboraram com The Send e os ministérios parceiros Jovens Com Uma Missão (JOCUM) e Awaken The Dawn. Foram semeados US$ 1,5 milhão em bairros carentes de Kansas City durante uma semana de treinamento ministerial, evangelismo, oração e adoração.

“Como um cara de Kansas City, este é um presente incrível para nossa cidade”, disse Mike Bickle, fundador da International House of Prayer (IHOPKC) em Kansas City.

“Sou pastor aqui há 40 anos”, acrescentou Bickle. “Onde quero chegar é que esse grupo vem à nossa cidade, prega em 5.000 casas, dá comida para outras 6.000 casas, mobiliza 800 pastores, toca todo o sistema de assistência social e não pede nada [em troca]”, disse o pastor, antes de levantar uma oferta para o The Send.

Chamado para missões

Liderando o clamor “viver é Cristo; morrer é lucro”, Andy Byrd, da JOCUM, lembrou que há muitos campos missionários a serem alcançados: escolas secundárias, faculdades, comunidades e nações.

“Há 3,2 bilhões de pessoas que vão para a cama esta noite, sem nunca ter ouvido o nome de Jesus”, disse Byrd. Ele acredita que 200.000 novos missionários fariam um grande impacto para evangelizar os não-alcançados.

“Existem 424.000 missionários em todo o mundo”, disse Byrd. “Há seis vezes mais pessoas trabalhando no Walmart do que alcançando os 3,2 bilhões de pessoas em todo o mundo”, lamenta.

Byrd destacou também que há mais de 2.000 línguas sem uma única página das Escrituras traduzida em seu idioma e que apenas 0,1% dos membros da igreja americana são missionários.

Ele ainda citou estudos que indicam que, nos próximos 11 anos, a Bíblia estará disponível em todos os idiomas pela primeira vez. “Haverá um ano – digamos 2033 – em que a última língua na terra adorará Jesus pela primeira vez”, disse Byrd.

Junto com outros líderes, Byrd orou para que durante o The Send, milhares de jovens com chamados para nações fossem marcados por Deus.

Movidos pela devoção a Cristo

O pastor Lou Engle, líder do ministério The Call, desafiou os jovens a ter uma vida de devoção a Jesus. Já a missionária Heidi Baker, que atua em Moçambique, orou por cura e despertar de dons. 

“Os santos de Deus vão para baixo. Nós vamos devagar. E nós vamos amá-Lo. Haverá misericórdia em nossos corações. E uma espada de misericórdia e justiça em nossas mãos. É um lugar de santidade onde somente Jesus segura cada rédea para cada carruagem”, disse Baker.

O evangelista Daniel Kolenda, da Cristo Para Todas as Nações (CfaN), concluiu o evento com as palavras do profeta Isaías. “Isaías viu o Senhor alto e exaltado”, observou. “Nós vimos a beleza do Senhor hoje. Acredito que nossos corações foram purificados hoje na presença do Senhor.”

O próximo The Send nos EUA acontecerá em Nashville, em 13 de maio de 2023, no estádio Nissan. Este ano, em 22 de junho, será realizado o The Send Noruega, na Telenor Arena, em Oslo.

Por: https://www.guiame.com.br

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

País teve 10,2 mil mortes violentas no primeiro trimestre do ano, contra 10,8 mil no mesmo período do ano passado. Queda segue tendência de 2021, quando país registrou baixa de 7% no número de mortes violentas intencionais. Ferramenta criada pelo g1 acompanha os assassinatos mês a mês.

O número de assassinatos no país continua em queda em 2022, segundo o índice nacional de homicídios criado pelo g1, com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal.

Foram 10,2 mil assassinatos nos três primeiros meses deste ano, o que representa uma baixa de 6% em relação ao mesmo período do ano passado.

Estão contabilizadas no número as vítimas dos seguintes crimes:

  • homicídios dolosos (incluindo os feminicídios)
  • latrocínios (roubos seguidos de morte)
  • lesões corporais seguidas de morte

Em 2021, o Brasil teve uma queda de 7% no número de assassinatos, como apontou um levantamento exclusivo do Monitor da Violência. Foram 41,1 mil mortes violentas intencionais no país no ano passado, o menor número de toda a série histórica do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que coleta os dados desde 2007.

Segundo especialistas do FBSP e do NEV-USP, o menor número de mortes é motivado por um conjunto de fatores, incluindo: mudançs na dinâmica d mercado de drogas brasileiro; maior controle e influência dos governos sobre os criminosos; apaziguamento de conflitos entre facções; políticas públicas de segurança e sociais; e redução do número de jovens na população.

Os dados do primeiro trimestre de 2022 apontam que:

  • houve aproximadamente 10,2 mil assassinatos nos primeiros três meses deste ano, quase 700 mortes a menos que no mesmo período de 2021;
  • na contramão do país, cinco estados registraram alta nas mortes: Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pernambuco, Piauí e Rondônia;
  • Acre teve a maior queda: 30%
  • Rondônia teve o maior aumento nos crimes: 48%

O levantamento, que compila os dados mês a mês, faz parte do Monitor da Violência, uma parceria do g1 com o Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Queda generalizada

Os dados apontam que todas as regiões do país tiverem queda nos indicadores de mortes violentas intencionais no início deste ano.

A queda mais expressiva foi a da região Sudeste, com uma diminuição de mais de 10%. Todos os estados tiveram diminuição, mas a queda foi puxada principalmente pelo Rio de Janeiro. O estado teve 193 mortes a menos no período, o que representa 20% de queda em relação ao ano passado.

Com essa baixa, o Rio de Janeiro deixou de ser o segundo estado com mais assassinatos do Brasil e passou a ocupar a quarta posição. O ranking continua sendo encabeçado pela Bahia, estado que teve queda de 8,5% na violência, mas que registrou impressionantes 1,3 mil assassinatos nos três primeiros meses deste ano.

Veja quais são os cinco estados mais mais mortes do país:

  1. Bahia: 1.326 mortes
  2. Pernambuco: 963 mortes
  3. São Paulo: 812 mortes
  4. Rio de Janeiro: 781 mortes
  5. Ceará: 755 mortes

Inclusive, em 2021, os homicídios dolosos atingiram uma baixa histórica no Rio, segundo o Instituto de Segurança Pública. É possível ver esta evolução no gráfico abaixo:

Série histórica de homicídios dolosos no RJ

2021 fechou com o menor número desde 1991

Segundo Paulo Storani, especialista em segurança pública, investimentos em policiamento ostensivo e em distribuição dos agentes pelo território urbano, além da realização de operações, podem ter contribuído para a queda.

Fora da curva: estados em alta

Mesmo que tenha apresentado uma diminuição no número de assassinatos no primeiro trimestre deste ano, os dados do Centro-Oeste chamam a atenção por não terem apresentado uma queda tão representativa como as de outras regiões do país. Foram 730 mortes registradas neste ano, contra 736 no ano passado.

Isso porque dois estados da região tiveram altas consideráveis: Mato Grosso do Sul (17%) e Mato Grosso (15%).

A fronteira entre o Brasil e o Paraguai é uma das que se destacam negativamente por causa das mortes. Em fevereiro, por exemplo, dois homens foram executados na cidade de Ponta Porã (MS) em menos de três horas.

O primeiro deles foi o empresário Joaquim Vinicius Miranda Borges, de 33 anos. Ele foi executado por pistoleiros em um bairro residencial. Os homens metralharam completamente o carro de luxo em que ele estava.

Após os tiros, Joaquim ainda saiu do carro e tentou correr, mas caiu e foi alcançado pelos pistoleiros. Ele foi atingido com vários tiros e morreu.

Após menos de três horas, Einer Miguel Pinazo, de 34 anos, também foi executado a tiros dentro de um carro. Miguel é suspeito de ter ligação com o tráfico de drogas e receptação de carretas roubadas.

O governo do Mato Grosso afirmou que “registra redução dos índices anuais de homicídios dolosos há 10 anos consecutivamente” e que “esse período [trimestre] é muito pequeno para se fazer análise”.

Informou ainda que fechou 2021 com percentual de 82% dos inquéritos de homicídios concluídos com autoria definida. E que, no último ano, as forças de segurança do MS apreenderam 31 toneladas de drogas e tiraram de circulação 720 armas de fogo ilegais.

Região Norte

Já na região Norte, Rondônia teve uma alta ainda mais elevada que Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Foram 85 casos no primeiro trimestre de 2021, contra 126 neste ano. Estes números representam um aumento de 48%.

Rondônia foi um dos seis estados que tiveram alta de assassinatos no balanço anual de 2021. Houve um aumento de 7% nos registros de violência do estado.

A Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec) afirmou que principalmente Porto Velho “tem sofrido com ações de organizações criminosas as quais, buscam domínio frente a outros grupos criminosos e essa disputa tem reflexos diretos no atual aumento dos números de homicídios”.

A pasta informou que “tem despendido esforços no intuito unir as Forças de Segurança Pública estaduais por intermédio de apoio logístico e de informação, para o enfrentamento desta questão”. Também disse que está sendo formada uma força-tarefa para combater o crime organizado.

Tendência de queda nacional

Mesmo com os aumentos pontuais de violência em alguns estados, a queda no primeiro trimestre de 2022 aponta que o país está seguindo a mesma tendência nacional de 2021, quando o Brasil registrou uma baixa de 7% nos assassinatos.

Os especialistas do Núcleo de Estudos da Violência da USP e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública elencam alguns pontos para explicar os números e a diminuição da violência:

  • Mudança na dinâmica do mercado de drogas brasileiro: “Mercados criminosos equilibrados, com competidores que aprenderam a conviver entre si ou que descobriram formas de regulamentar a relação entre eles, tendem a reduzir o total de conflitos fatais”, diz Bruno Paes Manso, do NEV-USP.
  • Maior controle e influência dos governos sobre os criminosos: “O próprio modelo de negócio criado por esses grupos tornou as lideranças das diversas gangues prisionais mais vulneráveis e sujeitas a pressões dos governos”, diz Bruno.
  • Apaziguamento de conflitos entre facções: “Entre 2016 e 2017 vivemos uma guerra entre dois grupos criminosos, o PCC e o Comando Vermelho, e essa guerra se alastrou por todo o país, especialmente em estados do Norte e Nordeste. A gente tem um apaziguamento desse conflito em alguns territórios e, em outro, tem um certo monopólio de algum grupo. Quando um grupo único vai se consolidando no território, tende a reduzir o conflito”, diz Samira Bueno, do FBSP.
  • Criação de programas de focalização e outras políticas públicas: “Várias unidades da federação adotaram, ao longo dos anos 2000 e 2010, programas de redução de homicídios pautados na focalização de ações nos territórios. O Pacto Pela Vida, em Pernambuco, o Estado Presente, no Espírito Santo, e o Ceará Pacífico, no Ceará, são exemplos de projetos que buscaram integrar ações policiais e medidas de caráter preventivo”, afirmam Samira Bueno e Renato Sérgio de Lima, do FBSP.
  • Redução do número de jovens na população: “Tem a ver com as mudanças demográficas, algo que a gente já vem apontando há alguns anos no Atlas da Violência, que é a reduçao do número de jovens na populacão. É sabido que a maior parte da violência letal atinge jovens do sexo masculino. E o Brasil esta diante de uma grande mudança demográfica”, afirma Samira.
  • Criação do SUSP e mudanças nas regras de repasses: “Em 2018, o governo federal conseguiu aprovar, depois de tramitar por 14 anos, a lei que criou o Sistema Único de Segurança Pública, responsável por regulamentar a Constituição de 1988 no que diz respeito à integração e eficiências das instituições de segurança pública. Ainda em 2018, (…) houve uma mudança nas regras de repasse de recursos arrecadados pelas Loterias da Caixa que, na prática, fez com que cerca de 80% de todo o dinheiro da segurança repassado para estados e Distrito Federal de 2019 a 2021 tenha as loterias como origem e, com isso, novos recursos puderam ser destinados à área”, dizem Samira e Renato.

Os pesquisadores destacam que a queda no índice de homicídios pode acontecer mesmo com a maior introdução de armas no país por conta dos decretos e mudanças na legislação promovidas pelo governo federal. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública publicado no ano passado, o Brasil dobrou o número de armas nas mãos de civis em apenas três anos.

“As armas e munições legais e ilegais – que são desviadas e ingressam no mercado do crime – não causam, isoladamente, variações nas taxas. Elas tendem a aumentar os homicídios circunstanciais, em bares, boates e no trânsito, por exemplo, e os femininídios. Mas não afetam necessariamente as dinâmicas criminais nos estados”, diz Bruno Paes Manso.

Taxa por 100 mil habitantes

Pernambuco é o estado com a maior taxa de crimes violentos do país. São 10 mortes por cada 100 mil habitantes, com aumento de 2,4 casos em relação ao primeiro trimestre de 2021.

No quadro do número absoluto de vítimas, aparece em 2º lugar, com 963 mortes, atrás da Bahia (1.326 mortes), que inverte a sua posição com o estado vizinho e tem a 2ª maior taxa de crimes violentos do país – são 8,8 mortes para cada 100 mil habitantes no primeiro trimestre de 2022, queda da taxa de 9,7 do mesmo período do ano anterior.

A maior redução na taxa de assassinatos foi em Roraima, com 2,4 casos a menos. A taxa nos primeiros três meses de 2021 foi de 6,3 casos para cada 100 mil habitantes, em comparação com 8,7 do período anterior.

São Paulo, o estado mais populoso do país, tem a menor taxa de crimes violentos para cada 100 mil habitantes, apesar de ser o 3º estado com mais mortes em termos absolutos. A taxa permaneceu praticamente a mesma no período de comparação (1,7 contra 1,8).

Índice nacional de homicídios

A ferramenta criada pelo g1 permite o acompanhamento dos dados de vítimas de crimes violentos mês a mês no país. Estão contabilizadas as vítimas de homicídios dolosos (incluindo os feminicídios), latrocínios e lesões corporais seguidas de morte. Juntos, estes casos compõem os chamados crimes violentos letais e intencionais.

Jornalistas do g1 espalhados pelo país solicitam os dados, via assessoria de imprensa e via Lei de Acesso à Informação, seguindo o padrão metodológico utilizado pelo fórum no Anuário Brasileiro de Segurança Pública.

Os dados coletados mês a mês pelo g1 não incluem as mortes em decorrência de intervenção policial. Isso porque há uma dificuldade maior em obter esses dados em tempo real e de forma sistemática com os governos estaduais. O balanço fechado do ano de 2021 foi publicado em ma

Por: https://g1.globo.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail

Livro ‘Diário Mágico: um segredo para contar’ foi publicado pela pedagoga e especialista em educação inclusiva, Sharlene Serra e aborda o tema na visão de uma menina. O g1 reuniu uma lista com telefones úteis que são canal direto para denúncias de casos de abuso sexual.

Sejam estranhos, parentes mais próximos ou até amigos da família, qualquer pessoa é passível de praticar abuso sexual contra crianças e adolescentes. Por isso, para lembrar a importância de debate e combate do tema, foi instituído, em 18 de maio, o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

No Maranhão, relatos de casos de abuso sexual sofridos por uma crianças, se tornaram incentivo para a publicação de um livro infantil que aborda o tema.

Escrito pela pedagoga e especialista em educação inclusiva, Sharlene Serra, o livro ‘Diário Mágico: um segredo para contar‘, aborda a história de uma menina possui um diário ‘megamoderno’, conta para ele detalhes da sua vida e ele se torna seu confidente.

“Eu escrevi o livro porque teve uma criança que viu em mim um diário, sentiu confiança para contar o que aconteceu com ela, um caso de abuso sexual, e eu não poderia ajudar socialmente só aquela criança enquanto o mundo inteiro pede socorro”, relembra.

Ao g1, a escritora explicou que a intenção é que, ao decorrer da leitura, as crianças e adolescentes consigam perceber os sinais do abuso sexual, que em alguns casos, são sutis. Além disso, a ideia é promover a conscientização a respeito do tema e em casos de abuso, fazer com que essas pessoas busquem ajuda.

“A ideia é fazer com que as crianças percebam os sinais e não se culpem, porque o abuso infantil tem muito isso, da criança se sentir culpada pelo abuso que estão sofrendo. Elas vão se proteger, o abuso acontece com mais pessoas conhecidas e não com estranhos”, explica Charlene.

Publicado em 2017 de maneira independente, o livro foi republicado, desta vez, por uma editora do Ceará. Com a nova roupagem, o exemplar ganhou novas páginas páginas, que funcionam como páginas de um diário, dando liberdade para que a criança ou adolescente, possa contar os seus segredos.

“Utilizei a figura do diário porque durante muito tempo ter um era o meu desejo e muitas meninas como eu, usavam ele para confidenciar coisas pessoais. E geralmente, é assim que nós conseguimos chegar a esses casos de abuso sexual infantil”, conta.

Há 11 anos trabalhando com inclusão social, a escritora maranhense é autoria de uma série de livros infantis chamada de ‘Coleção Incluir’. Os exemplares contam com personagens que possuem diferentes tipos de deficiência, com o objetivo conscientizar crianças em relação ao tema.

“Eu como escritora, tive que me desprender da dor de falar do abuso. Porque se você não sente a dor do outro, então o problema é com você. Então, quando eu imagino uma criança sendo vítima, eu sinto dor, eu tive que me desprender para escrever com uma leveza”, explica.

De maneira lúdica e em duas línguas, inglês e em português, a leitura também pode ser voltada para os pais ou responsáveis das crianças ou adolescentes. A ideia é ampliar o conhecimento dessas pessoas a respeito da temática e desta forma, estabelecer um elo maior de confiança entre pais e crianças.

“O carinho nunca vem seguido da palavra segredo. Sem vem seguido disso, é violência. É preciso ensinar para a criança que as vezes, o toque do agressor não é só nas partes íntimas, mas ele pode tocar no cabelo e na nuca mas com segundas intenções”, finalizou.

Como denunciar?

Casos de abusos sexuais e maus-tratos de crianças e adolescentes podem ser denunciados pelas pessoas mais próximas ou desconhecidos aos órgãos públicos competentes. Veja, abaixo, os canais de denúncia:

Conselho Tutelar (São Luís)

  • Centro/Alemanha: Rua Veleiros, S/N – Camboa. Telefone: 99156-5682 / 99153-5557;
  • Itaqui Bacanga: Rua da União, Nº 02 – Vila Bacanga. Telefone: 99109-1113 / 99134-4872;
  • Vila Luizão/Turu: Avenida 21 de junho, 24 – Vila Luizão. Telefone: 9 9108-8734 / 9 9129-0665;
  • Cidade Operária/Cidade Olímpica: Unid. 205 Rua 205 S/E , nº 58, Bairro – Cidade Operária. Telefone: 99156-7231 / 99160-1245;
  • Coroadinho/João Paulo: Rua 13, Quadra 10 , Casa 09 – Filipinho, próximo ao Hotel Pilão. Telefone: 99101-6249;
  • Zona Rural: Rua Machado de Assis nº 01 – Vila Nova República. Telefone: 99109-9529 / 99142-3540;
  • São Cristóvão/São Raimundo: Rua 39, Quadra 40, N 22– Jardim São Cristóvão. Telefone: 99158-9174
  • Cohab/Cohatrac: Rua Sotero dos Reis, nº 09, Bairro – Cohab Anil III. Telefone: 99154-9081 / 99147-4489
  • São Francisco/Cohama: Rua das Limeiras, nº 5, Qd. C, Bairro – Jardim Renascença I. Telefone: 99108-5766 / 99134-8671;
  • Anil/Bequimão: Av. Edson Brandão, 283, Cutim / Anil. Telefone: 99158-7958 / 99143-9290

Disque 100 (Secretaria de Direitos Humanos)

O Disque 100 atende 24 horas, todos os dias, incluindo fins de semana e feriados, em todo o Brasil. Pela internet, as denúncias podem ser feitas pelo aplicativo Direitos Humanos Brasil ou pelo WhatsApp, no número (61) 99656-5008.

A Secretaria de Direitos Humanos recebe denúncias anônimas e encaminha o assunto aos órgãos competentes no município de origem da criança ou adolescente.

Polícia Militar do Maranhão (PM-MA)

O 190 é o número de telefone da Polícia Militar, que deve ser acionado em casos de necessidade imediata ou socorro rápido. O 190 recebe ligações de forma gratuita em todo o território nacional.

Delegacia de Proteção a Criança e Adolescente (DPCA)

A DPCA fica localizada na Praça Gonçalves Dias, n° 01, próximo a Rffsa em São Luís. O local funciona das 8h às 18h e o telefone para contato é (98) 3214-8668.

Por: https://g1.globo.com

0 FacebookTwitterPinterestTumblrRedditStumbleuponLINEEmail
Novos Posts