Home MaranhãoMARANHÃO Empresários vão a Brasília contra importação por pessoa física

Empresários vão a Brasília contra importação por pessoa física

por Correio do Maranhão
0 commentar

Grupo defende maior rigidez para pessoas físicas que compram para revender no mercado brasileiro

Um grupo de empresários e associações ligadas ao comércio foram a Brasília denunciar uma suposta prática conhecida como ‘cross border’. Empresário Luciano Hang, dono da varejista Havan, pelo CEO da Multilaser, Alexandre Ostrowiecki e outros acusam plataformas de fora do País, que vendem produtos a pessoas físicas no Brasil, de concorrência desleal de produtos importados.

O grupo fez uma apresentação ao presidente da república Jair Bolsonaro e ao ministro da Economia Paulo Guedes. Segundo as informações, eles desejam que acontece alterações nas normas tributárias. Desta maneira, o consumidor pagaria os impostos relativos à transação no momento da compra, e não quando o produto importado passa pela Receita Federal e entra no Brasil. Entre as empresas citadas pela prática estão AliExpress, Wish, Shein, Shopee e Mercado Livre. 22/03/2022 às 10:37 Notícia

Governo reduz 10% no imposto de importação de computadores e …

Medida deverá baratear diversos produtos como notebooks e smartphones

No material entregue a vários órgãos do governo federal, cita a “construção de engenharia de como burlar a Receita” adotada pelas plataformas de e-commerce que atuam com importação. Eles sugerem a existência de subfaturamento de notas fiscais e a reetiquetagem na Suécia, como tentativa de burlar a fiscalização. Além disso, alegam que apenas 2% dos 500 mil pacotes que chegam na fiscalização alfandegária são de fato checados.

Simplificando, para eles existe um trabalho em conjunto dos vendedores, sites e consumidores para os valores colocados nas notas serem abaixo de US$ 50, ficando isento de taxas e impostos.

Resposta dos sites de compras

Em resposta a Coluna Broadcast do Estadão, os sites de compras citados se defenderam. A Shopee diz que está seguindo as leis locais e cobra dos vendedores da plataforma.

A Shopee está empenhada em ajudar as PMEs (Pequenas e Médias Empresas) brasileiras a crescer e prosperar no mundo online por meio do nosso marketplace. Mais de 85% das vendas na nossa plataforma são de vendedores locais, incluindo pequenas e médias empresas, além de marcas. Em nossa sede em São Paulo, e ao redor do país, nossas equipes locais atendem a mais de 1 milhão de vendedores brasileiros registrados“, disse. 24/01/2022 às 13:31 Notícia

Operação da Receita Federal atrasa importação de eletrônicos …

A Operação Padrão nos postos aduaneiros está sendo realizada como forma de protesto em busca de reaju…Continua após a publicidadehttps://googleads.g.doubleclick.net/pagead/ads?client=ca-pub-5211861477292920&output=html&h=600&slotname=6745503725&adk=722387074&adf=1308218119&pi=t.ma~as.6745503725&w=288&fwrn=4&fwrnh=100&lmt=1648494935&rafmt=1&psa=0&format=288×600&url=https%3A%2F%2Fmundoconectado.com.br%2Fnoticias%2Fv%2F24082%2Fempresarios-vao-a-brasilia-contra-importacao-por-pessoa-fisica&fwr=0&fwrattr=true&rpe=1&resp_fmts=4&wgl=1&dt=1648496303120&bpp=446&bdt=7519&idt=3406&shv=r20220324&mjsv=m202203230101&ptt=9&saldr=aa&abxe=1&prev_fmts=728×90&correlator=7880723720199&frm=20&pv=1&ga_vid=946983054.1648496306&ga_sid=1648496307&ga_hid=855422523&ga_fc=1&u_tz=-180&u_his=1&u_h=768&u_w=1366&u_ah=728&u_aw=1366&u_cd=24&u_sd=1&adx=63&ady=1671&biw=1349&bih=615&scr_x=0&scr_y=499&eid=44759875%2C44759926%2C44759837%2C44760474%2C31065545%2C31065858%2C31062930&oid=2&pvsid=3734455286125291&pem=311&tmod=443164575&nvt=1&eae=0&fc=896&brdim=-8%2C-8%2C-8%2C-8%2C1366%2C0%2C1382%2C744%2C1366%2C615&vis=1&rsz=%7C%7CaeEbr%7C&abl=CA&pfx=0&fu=128&bc=31&ifi=2&uci=a!2&btvi=1&fsb=1&xpc=yqTSlp7LXv&p=https%3A//mundoconectado.com.br&dtd=3936

O Mercado Livre explicou que pessoas físicas podem vender até uma certa quantidade. A partir disso, exige a abertura de um CNPJ e emissão de notas fiscais. Para ter certeza de que isso vai acontecer, a empresa exige que, a partir daí, suas entregas sejam feitas pelo serviço de logística da plataforma. 

A preocupação de combate à sonegação e à pirataria é legítima. A gente compartilha. Falando do Mercado Livre, entendemos que não deveríamos estar neste documento. Pagamos muitos tributos, no ano passado foram mais de R$ 2,5 bilhões que recolhemos”, justificou.

Já a AliExpress afirmou em nota que “respeita as leis locais de cada país em que atua. A compra de itens importados, por pessoas físicas, é um ato legal e contribui para que haja maior competitividade e oferta aos consumidores brasileiros”. A empresa diz que “de acordo com a lei brasileira, compras internacionais são sujeitas a taxações e vendedores internacionais que oferecem produtos para brasileiros assumem o compromisso de informar claramente os valores exatos e as descrições corretas dos produtos enviados ao mercado brasileiro, nos termos exigidos pelas leis locais.

A companhia continua: “O AliExpress monitora proativamente, por meio de ferramentas de inteligência artificial, e de forma reativa, com um departamento inteiro dedicado à investigação de reclamações e denúncias, o cumprimento das regras impostas a vendedores. A violação das normas estabelecidas para vendedores implica em sua suspensão e exclusão definitiva de nossa plataforma. O AliExpress trabalha continuamente, em colaboração com diversos parceiros, para aprimorar suas ferramentas de monitoramento e avaliação de seus vendedores. Desde agosto de 2021, o AliExpress permite que vendedores brasileiros vendam para consumidores brasileiros. O ingresso em nossa plataforma exige que o vendedor possua CNPJ, emita nota fiscal em todas as vendas efetuadas e cumpra uma rigorosa política, que inclui não somente o cumprimento integral das leis locais, mas também a oferta de uma experiência de compra excelente para o consumidor”.

Por: mundoconectado.com.br/

Related Articles

Deixe um Commentario