Home Cristão Conheça 10 pregadoras e evangelistas que marcaram a história

Conheça 10 pregadoras e evangelistas que marcaram a história

por Correio do Maranhão
0 commentar

O ministério feminino não é novidade; veja aqui algumas mulheres que deixaram um importante legado cristão.

Durante o Mês da Mulher, e especialmente no Dia Internacional da Mulher, muitas homenagens são feitas àquelas que exercem diversas funções na sociedade. Aqui, relacionamos pregadoras e pastoras, que, ao contrário do que muitos pensam, não são um fenômeno novo.

As mulheres na história foram fiéis aos seus chamados pastorais – contra todas as probabilidades. Conheça dez pastoras, evangelistas e pregadoras que deixaram um legado cristão:

1. Jarena Lee (1783-1864)

Em 1819, Lee se tornou a primeira mulher afro-americana autorizada a pregar na Igreja Episcopal Metodista Africana. Ela também foi a primeira mulher afro-americana a ter uma autobiografia publicada nos EUA. Oito anos depois que Lee ouviu Deus chamando-a para pregar, ela finalmente conseguiu convencer seu pastor a deixá-la atrás do púlpito. Ela implorou a ele: “Se o homem pode pregar, porque o Salvador morreu por ele, por que não a mulher, visto que ele morreu por ela também? Ele não é um Salvador inteiro, em vez de metade de um?”

Lee tornou-se uma pregadora itinerante, movendo-se de um lugar para outro a pé. Ela enfrentou muita oposição devido a sua raça e gênero. Em um ano, ela viajou mais de 3 mil quilômetros e pregou cento e setenta e oito sermões.

2. Sojourner Truth (Isabella Baumfree) (1797-1883)

Baumfree nasceu na escravidão em Nova York. Ela foi repetidamente vendida e sofreu espancamentos e separação de seus filhos. Após sua emancipação, ela se tornou uma cristã devota e cofundou a Igreja Metodista de Kingston. Em 1843, ela adotou o nome de Sojourner Truth para significar seu chamado de Deus para viajar e pregar, dizendo a seus amigos: “O Espírito me chama e devo ir”.

Truth falou profeticamente sobre a abolição da escravatura. Ela está incluída na lista dos “100 americanos mais significativos de todos os tempos” da revista Smithsonian e também é lembrada anualmente tanto no calendário de santos da Igreja Episcopal quanto da Igreja Luterana.

3. Phoebe Palmer (1807-1875)

Nascida em uma família de metodistas devotos em Nova York, Palmer sentiu-se em conflito com seu relacionamento pacífico com Deus. Ela ansiava por algo mais. Depois de perder dois filhos pequenos e acreditar ser um castigo por não se dedicar totalmente a Deus, ela chegou a “ver que o erro da minha vida religiosa foi o desejo de sinais e maravilhas. Como Naamã, eu queria algo grande, sem querer confiar inabalavelmente na voz mansa e delicada do Espírito, falando através da Palavra nua”. Ela aprendeu que ao colocar sua vida no altar, ela tinha plena certeza de sua salvação.

Após essa percepção espiritual, ela e sua irmã começaram a realizar reuniões ecumênicas de oração feminina, que começaram a se multiplicar em grupos semelhantes em todo o país. Palmer tornou-se uma das mulheres mais influentes do grupo religioso de mais rápido crescimento nos Estados Unidos. Ela começou a organizar e pregar em acampamentos, onde aproximadamente 25.000 pessoas se converteram ao cristianismo. Sua teologia da “aliança do altar” foi influente na fundação da Igreja do Nazareno, do Exército da Salvação, da Igreja de Deus e da Igreja Pentecostal da Santidade. Seu livro, The Way of Holiness, estava em cinquenta e duas edições em 1867.

4. Antonieta Brown Blackwell (1825-1921)

Blackwell era uma criança precoce que vivia em Rochester, Nova York, que começou a pregar em sua igreja Congregacional aos nove anos de idade. Ela foi professora de escola por quatro anos, economizando dinheiro para se matricular no Oberlin College, fundado por Charles Finney e uma das primeiras faculdades americanas a treinar mulheres em teologia. Mesmo assim, seu diploma de teologia foi negado por vários anos devido à discriminação contra as mulheres no ministério.

Blackwell foi uma escritora prolífica e pregadora carismática. Ela acabou se tornando a primeira mulher a ser ordenada por uma grande denominação protestante americana em 1853. Ela continuou pregando até 1915.

5. Amanda Berry Smith (1837-1915)

Amanda Smith nasceu em Maryland, filha de um escravo que conseguiu comprar a liberdade de sua família. A família Berry se mudou para a Pensilvânia, onde se tornou uma estação na Underground Railroad.

Depois de se tornar cristã, ingressou na Igreja Episcopal Metodista Africana. Em 1869, ela recebeu seu chamado para pregar e, ao longo de sua carreira, tornou-se uma oradora popular em igrejas e acampamentos do Maine ao Tennessee. Smith era muito amada por sua bela voz e sermões inspirados. Ela se tornou a primeira evangelista internacional negra em 1878, trabalhando na Inglaterra, Irlanda, Escócia, Índia e vários países africanos por doze anos.

6. Maria Woodworth-Etter (1844-1924)

Aos treze anos, Woodworth-Etter converteu-se ao cristianismo. Ela “ouviu a voz de Jesus me chamando para sair pelos caminhos e valados e reunir as ovelhas perdidas”. Sua denominação a proibiu do ministério público, então ela encontrou apoio em uma reunião Quaker local.

Em 1885, ela começou a pregar e orar pelos enfermos. Suas reuniões de cura atraíam tanta gente que ela acabou comprando uma tenda de 8.000 lugares. Ela foi fundamental na fundação da igreja Assembleia de Deus em 1914 e, em 1918, fundou o que hoje é a Igreja Lakeview em Indianápolis.

Em 1916, Maria pregou: “Deus está chamando as Marias e Martas hoje em toda a nossa terra para trabalhar em vários lugares na vinha do Senhor; Deus permita que eles possam responder e dizer: ‘Senhor, aqui estou eu. Envie-me.’ (…) Minha querida irmã em Cristo, ao ouvir essas palavras, que o Espírito de Deus desça sobre você e a deixe disposta a fazer a obra que o Senhor lhe designou”.

7. Lucy Farrow (1851-1911)

Farrow nasceu na escravidão na Virgínia e era sobrinha do proeminente abolicionista negro Frederick Douglass. Em 1905, ela era pastora de uma igreja de santidade em Houston, Texas, quando Charles Parnham, do Bethel Bible College, a contratou como governanta de seus filhos. Farnham deixou sua igreja aos cuidados de um amigo chamado William Seymour.

Em 1906, Seymour pediu a Farrow que viesse a Los Angeles para ensinar glossalia às pessoas com quem orava por avivamento. Sua chegada provocou o que veio a ser conhecido como o Renascimento da Rua Azusa. Seu toque encheu as pessoas com o Espírito Santo, e seu ministério demonstrou curas e o poder da oração. Da Rua Azusa, seu ministério se espalhou pelo sul dos Estados Unidos e pela Libéria e África Ocidental.

8. Louisa Woosley (1862-1952)

Aos doze anos, Woosley ficou “impressionada a trabalhar na vinha do Senhor, visto que a colheita era realmente abundante e os trabalhadores poucos”. Quando ela se casou, ela esperava que seu marido se tornasse um pregador, mas ele não estava inclinado a fazê-lo. Seu próprio chamado tornou-se cada vez mais forte. Ela leu sua Bíblia, marcando cada lugar que uma mulher é mencionada. No final de seu estudo, ela estava “convencida do fato de que Deus, não fazendo acepção de pessoas, não havia negligenciado as mulheres, mas que ele tinha um grande trabalho para elas fazerem”.

Na ausência de um pastor em um domingo, Woosley pregou seu primeiro sermão. Depois disso, sua ligação tornou-se irreprimível. Ela foi ordenada em 1889 pelo Presbitério Nolin, tornando-se a primeira mulher ordenada como ministra em qualquer denominação presbiteriana e a primeira mulher ordenada em qualquer tradição reformada na América.

Nos trinta anos seguintes, sua ordenação foi fonte de grande controvérsia dentro do sínodo de Kentucky. Ela escreveu uma defesa da ordenação de mulheres intitulada “Shall Women Preach?”. Seu ministério foi marcado pela coragem e tenacidade diante da dura discriminação.

9. Agnes White Diffee (1886-1970)

Aos dezesseis anos, Diffee se tornou a avivalista mais jovem do país. Apesar de ser uma evangelista eficaz, ela disse uma vez: “Eu tentei ser dispensada de responder ao chamado para o ministério porque eu era uma mulher. Eu não teria me importado se fosse homem, mas ser chamada de ‘pregadora mulher’ era mais do que eu poderia suportar”.

Em 1919, ela foi ordenada pastora sênior de uma igreja do Nazareno em Amity, Arkansas, e passou a pastorear a Primeira Nazareno em Little Rock. Em vinte anos, sua congregação cresceu de menos de 300 para mais de 1.000. Diffee pastoreou por trinta e cinco anos e disse uma vez: “Peço às jovens que mantenham os ouvidos voltados para o céu para o chamado de Deus para pregar o Evangelho”.

10. Aimee Semple McPherson (1890-1944)

McPherson já era viúva aos dezenove anos enquanto servia como missionária na China. Ela voltou para a América e se casou novamente, e era mãe de dois filhos aos 23 anos quando estava morrendo de apendicite e ouviu Deus perguntar a ela: “Agora você vai?” Ela entendeu que poderia escolher o ministério ou a eternidade. Ela começou seu ministério como evangelista itinerante.

McPherson e sua mãe acabaram se estabelecendo em Los Angeles para estabelecer um ministério permanente. A igreja de McPherson, o Templo Angelus, atraiu 40 milhões de visitantes nos primeiros sete anos.

McPherson chamou a atenção da mídia; ela se tornou uma das pessoas mais fotografadas na época. Certa vez, um repórter descreveu os sermões de McPherson: “Nunca ouvi tal linguagem de um ser humano. Sem um momento de intervalo, ela falava de uma hora a uma hora e meia, mantendo sua audiência fascinada.” Ela pregava vinte e dois sermões por semana e foi a primeira pregadora a usar o rádio para transmitir sermões. Ela é considerada a primeira pastora celebridade.

Inspirada por suas raízes no Exército de Salvação, McPherson exigia que todos os membros da igreja se envolvessem em trabalhos de caridade. Durante a Grande Depressão, o Templo Angelus alimentou 1,5 milhão de pessoas e foi considerado a organização de caridade mais eficaz da época. Ela disse uma vez: “Qual é a minha tarefa? Levar o Evangelho ao redor do mundo no menor tempo possível para cada homem e mulher e menino e menina!”

Por: https://www.guiame.com.br/

Related Articles

Deixe um Commentario