Home RURAL Adubação orgânica recupera áreas degradadas no semiárido

Adubação orgânica recupera áreas degradadas no semiárido

por Correio do Maranhão

Os cientistas explicam que mesmo nas áreas em processo de desertificação, o uso de diferentes estratégias de baixo custo contribui para a melhoria dos atributos do solo, com a manutenção da temperatura e aumento da fertilidade . “Uma área desertificada demora cerca de 50 anos para se recuperar naturalmente, ficando fechada, sem uso. Isso é inviável, por isso estamos trabalhando para a recuperação dos solos com a implantação de sistemas de produção sustentáveis ​​”, explica o engenheiro agrônomo  Henrique Antunes , pesquisador da  Embrapa Meio-Norte  (PI).

Produtores de municípios do Ceará conseguiram recuperar solos degradados e aumentar a produtividade em pequenas propriedades utilizando uma adubação com insumos físicos. As técnicas simples e customizadas, utilizando insumos de dentro da porteira, resultaram num incremento de 70% na produção de milho e feijão no município de Ibaretama. O resultado foi observado no período de cinco anos, quando foram colhidas três safras.

Em outra propriedade, em Sobral, uma área de uma nascente que já não abastecia a comunidade por estar degradada foi recuperada com o consórcio de leguminosas e milho. A terceira experiência aconteceu em Irauçuba, numa área em processo de desertificação, que já dá sinais de recuperação. Os experimentos foram realizados no Ceará e os pesquisadores da Embrapa afirmam que resultados semelhantes podem ser obtidos em outros estados do Semiárido brasileiro.

Os experimentos dos pesquisadores da Embrapa aconteceram em três municípios do Ceará: Ibaretama, Irauçuba e Sobral. No município de Ibaretama, os cientistas trabalharam em uma área de Caatinga degradada, com solo exposto e sinais de erosão. O engenheiro agrônomo  Roberto Cláudio Pompeu , pesquisador da  Embrapa Caprinos e Ovinos  (CE), explica que a primeira camada do solo é a mais rica e facilmente levada pelas chuvas se o solo não estiver protegido, e que os Sistemas Agroflorestais ( SAFs ) são uma alternativa para a melhoria dessas áreas.

Na propriedade em questão, a implantação do SAF foi feita com espécies sabiá e cajá, consorciadas com milho e feijão. O esterco dos animais e a bagana de carnaúba foram utilizados como adubo e o resultado foi um aumento de 70% na produção do milho e do feijão, em um período de cinco anos, quando foram colhidas três safras.

A análise dos resultados apontou um aumento do pH das camadas superficiais e subsuperficial do solo, em função do uso de esterco de ovelhas. Como alguns solos do Semiárido costumam ser ácidos, o aumento do pH os torna mais adequados ao cultivo. Os pesquisadores também verificaram um incremento dos macronutrientes fósforo, potássio, cálcio, magnésio e do micronutriente zinco, entre outros não apenas na área, mas também na composição das plantas de sabiá.

Por: Nordeste Rural

Related Articles

Deixe um Commentario