Home MaranhãoMARANHÃO Armênia e Azerbaijão travam novos confrontos na fronteira

Armênia e Azerbaijão travam novos confrontos na fronteira

por Correio do Maranhão
0 commentar

Governo armênio diz que há mortos, enquanto militares azeris acusam os vizinhos de provocação.

Um novo confronto entre militares da Armênia e do Azerbaijão eclodiu nesta terça-feira (16) perto do território separatista de Nagorno-Karabakh. Os dois países, ex-integrantes da União Soviética, travam conflitos territoriais há décadas na região do Cáucaso.

Autoridades armênias dizem que 15 soldados do país morreram no conflito, enquanto o Azerbaijão afirmam que dois militares azeris ficaram feridos.

Além de divergirem sobre os números de mortos e feridos no confronto, os dois lados dão versões diferentes para o que iniciou a nova rodada de hostilidades: a Armênia diz que os militares azeris abriram fogo primeiro, enquanto o Azerbaijão acusa o outro lado de fazer “grandes provocações”.

Logo na noite desta terça, horário local, a Rússia — que politicamente não tem interesse nesse confronto — intermediou um cessar-fogo entre os dois lados.

Crise entre Armênia e Azerbaijão

Os confrontos desta terça são uma continuidade da crise entre as duas repúblicas soviéticas: os dois países tiveram conflitos graves em 2020 que deixaram centenas de mortos e de desabrigados em plena pandemia de Covid-19.

Essa disputa, porém, é ainda mais antiga. A maior dessas disputas envolve a autodeclarada República de Nagorno-Karabakh, também conhecida como Artsakh. A região abriga quase 150 mil pessoas em um território encravado nas fronteiras do Azerbaijão. Dessa população, segundo dados apresentados pelo governo armênio, 95% têm origem armênia.

De um lado, armênios argumentam que são a maioria étnica e, por autodeterminação dos povos, têm direito ao controle de Nagorno-Karabakh. Do outro, os azeris entendem que também têm aquela região como parte do território histórico do Azerbaijão.

O maior conflito entre os dois países pelo controle da região ocorreu logo após o fim da URSS. Na ocasião, mais de 30 mil pessoas morreram.

Por: G1

Related Articles

Deixe um Commentario