Home Piaui Secretaria de Saúde do Piauí apura suspeita de infecção pela variante delta em Teresina

Secretaria de Saúde do Piauí apura suspeita de infecção pela variante delta em Teresina

por Correio do Maranhão
0 commentar

O paciente é do interior do Piauí e teria tido contato, no estado de São Paulo, com um familiar que testou positivo para Covid-19 e cujos exames confirmaram a infecção pela variante. Ele está em observação e isolamento, sem sintomas graves.

O Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Piauí (Cievs), da Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), está investigando uma amostra coletada de um paciente com Covid-19, por suspeita de infecção pela variante delta.

A informação foi confirmada pela Sesapi nesta quarta-feira (18). O paciente é do interior do Piauí e teria tido contato, no estado de São Paulo, com um familiar que testou positivo para Covid-19 e cujos exames confirmaram a infecção pela variante. Segundo o hospital onde o homem está internado, ele está em observação e isolamento, estável e sem sintomas graves.

A Sesapi destacou que ainda não há qualquer confirmação de que o caso seja da variante. Até o momento, o estado não possui casos confirmados da variante delta e, segundo a Sesapi, esse é o único caso suspeito sob investigação.

A Secretaria informou que o Cievs obteve exames do paciente, que foram enviados a um laboratório de referência, localizado na Bahia. Lá, o vírus passará por sequenciamento genético, para identificar a variante.

O paciente citado na matéria está internado no Hospital Unimed primavera e testou positivo para Covid-19, porém até o momento não se confirmou a contaminação pela variante Delta. O Lacen se informou ao hospital que está investigando o genótipo do agente contaminante. Essa pesquisa da variante é realizada fora do Piauí, demandando um tempo maior para dirimir a dúvida levantada. Em tempo, o material já foi encaminhado pelo Lacen para investigação. O caso foi considerado suspeito pelos contatos e pela epidemiologia apresentada. No momento, o paciente está em isolamento e estável.

Variante mais transmissível

A delta foi identificada pela primeira vez na Índia, em outubro do ano passado. Em junho, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um alerta importante: a variante tem se tornado dominante em todo o mundo, muito por conta da sua transmissibilidade.

De acordo com o último boletim epidemiológico da entidade, divulgado no dia 11 de agosto, 142 países já identificaram a circulação da delta.

No Brasil, os primeiros casos foram confirmados em maio, quando tripulantes de um navio que chegou ao Maranhão testaram positivo e estavam com a variante.

Apesar de ser mais transmissível (assim como as outras variantes que surgiram), pesquisadores dizem que ainda não há como afirmar que ela também é mais letal.

Sintomas

Sobre os sintomas, especialistas explicam que eles podem ser confundidos com os da gripe.

Tanto a gripe quanto a fase inicial de infecção pela variante delta podem estar associadas aos seguintes sintomas: dor de cabeça, mal estar, coriza, dor de garganta e febre.

Variante já corresponde a mais de 20% dos casos

Dados da Rede Genômica da Fiocruz apontam que, entre os sequenciamentos de amostras feitas pelo sistema no país, a delta corresponde a 22,1% dos casos sequenciados em julho (mais do que 1 em cada 5 casos). Em junho, o total era de 2,3%.

Entretanto, o total de sequenciamentos é desigual no Brasil. Enquanto, por exemplo, São Paulo fez mais de 10 mil, o Piauí analisou apenas 19.

Por: Maria Romero, G1 PI

Related Articles

Deixe um Commentario